5f5b414a693cee52d1a8f238c02fadc5 M

20 de março é marcado pela comemoração do Dia Mundial da Agricultura

Em meio a situação de combate ao Covid-19 enfrentada mundialmente, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo destaca o valor da atividade e destaca algumas de suas ações em prol do desenvolvimento sustentável da agricultura brasileira, levando critérios de sustentabilidade econômica, social e ambiental. As ações da Pasta envolvem o avanço do conhecimento científico e o desenvolvimento de novas tecnologias para o setor de produção, a extensão rural, a defesa agropecuária e o abastecimento.

De acordo com dados do Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA), os principais produtos do agronegócio paulista são: cana-de-açúcar, carne bovina, laranja, soja, carne de frango, ovo de galinha, milho, café beneficiado e leite.

Pesquisa e Desenvolvimento

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo conta com seis Institutos e 11 Polos Regionais de pesquisa ligados à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), que desenvolvem pesquisas para todo o agronegócio. Os trabalhos visam o desenvolvimento de novas tecnologias que impactam positivamente todo o setor produtivo, aumentando a produtividade, reduzindo o uso de insumos, gerando mais renda aos produtores e disponibilizando alimentos seguros e com alta qualidade para a indústria e consumidores. Além do desenvolvimento tecnológico, a APTA e suas unidades se destacam pelos serviços prestados para todo o setor de produção do agronegócio. Em 2019, 438 mil análises laboratoriais foram realizadas pela APTA, número 7% superior ao ano de 2018.

Para agricultura, destacam-se as ações do Instituto Agronômico (IAC-APTA), referência em melhoramento genético convencional de plantas agrícolas, ao mesmo tempo em que participa de programas de pesquisa de genoma, transgenia e cisgenia, em parceria com redes nacionais e internacionais. Um dos destaques do IAC é o desenvolvimento de novas cultivares de plantas mais produtivas, resistentes a pragas e doenças e com características que agradam a indústria e os consumidores. O IAC já desenvolveu 1.090 cultivares de 100 espécies, sendo 15 delas em 2019, além de pacotes tecnológicos que envolvem desde o plantio à pós-colheita, incluindo estudos de solo, clima, praga, doenças e segurança e eficiência no controle químico.

O Instituto Biológico (IB-APTA) também desenvolve ações relacionadas à agricultura, voltadas à sanidade vegetal e animal. Um dos destaques do Instituto é o desenvolvimento de pesquisas e tecnologias relacionadas ao controle biológico, em que é possível utilizar microrganismos e parasitoides predadores para controlar pragas e doenças de importância agrícola. Com isso, se reduz, ou até mesmo se elimina a necessidade da aplicação de defensivos agrícolas. O Instituto já assessorou na implantação e manutenção de 75 empresas brasileiras que produzem fungos para controle biológico, por meio de seu Programa de Inovação e Transferência de Tecnologia em Controle Biológico (Probio). O IB também desenvolve trabalhos de alta relevância para a sanidade animal, atuando há mais de 40 anos no diagnóstico de diversas doenças infecciosas, bacterianas, virais e parasitárias, incluindo as zoonoses que acometem os animais de produção. Além do controle de sêmen e embriões em centrais de inseminação e por fim exames sanitários para exportação de animais vivos.

Na área animal, o Instituto de Zootecnia (IZ-APTA) desenvolve trabalhos há mais de um século visando elevar a produtividade, a eficiência e o bem-estar animal. As pesquisas visam aumentar o ganho de peso, reduzir o tempo de abate, diminuir os custos de produção e minimizar os impactos ambientais. O Instituto conta com três áreas estratégicas de pesquisa na área de sistemas integrados de produção agropecuária, produção sustentável de carne e produção sustentável de leite. As áreas estão alinhadas à missão institucional, aos programas estratégicos da SAA e às políticas públicas do Estado de São Paulo. Neste contexto, o IZ mantém seu compromisso com a sustentabilidade e inovação na produção animal, com fortalecimento de cadeias produtivas mais eficientes.

O Instituto de Pesca (IP-APTA) é uma instituição de pesquisa científica e tecnológica que desenvolve projetos nas áreas de Pesca, Aquicultura e Limnologia, visando à obtenção e disseminação de novos conhecimentos e tecnologias destinados à melhoria do agronegócio do pescado e da qualidade ambiental.

Juntando as competências de diversas áreas do agronegócio, a APTA Regional, que é formada por 16 Unidades de Pesquisa espalhados por todo o Estado de São Paulo, gera tecnologias e presta serviço para todo o setor de produção, com soluções acessíveis a pequenos, médios e grandes empresários rurais. Os benefícios dos trabalhos visam desde a fixação do pequeno produtor ao meio rural, até a abertura de novos mercados. A APTA Regional tem forte atuação na transferência de tecnologia e de conhecimento e atendimento especifico das demandas regionais, o que promove um diferencial competitivo em regiões de pouco acesso a pesquisa e tecnologia.

Na ponta da cadeia, o Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL-APTA) realiza atividades de pesquisa, desenvolvimento, assistência tecnológica, inovação e difusão do conhecimento nas áreas de embalagem e de transformação, conservação e segurança de alimentos e bebidas. O Instituto concentra suas atividades em três áreas especializadas em tecnologia, ciência e qualidade de alimentos e embalagens. O ITAL também oferece serviços de consultoria, capacitação e análise para empresas, com garantia de isenção e competência.

De forma estratégica, o IEA pesquisa, analisa, gera e divulga conhecimento e informação de qualidade para atender às necessidades da agricultura e da sociedade em geral. Essas informações servem de parâmetro para a tomada de decisões e para formulação de políticas públicas, induzindo o sistema a melhores negociações, em benefício de todas as cadeias de produção do setor, nos âmbitos estadual e nacional.

O papel da extensão rural na agricultura paulista

A Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, tem a missão de promover a oferta sustentável de alimentos saudáveis e seguros, fibras e bionergia. Por meio da transferência de tecnologia vinda dos Institutos de pesquisa da SAA, e com foco na inovação, no empreendedorismo e na gestão de risco, vem modernizando a infraestrutura do campo, o uso da terra e dos recursos naturais, de forma a agregar valor e competitividade aos produtos, para a melhor qualidade de vida da população.

Os agricultores paulistas têm no extensionista rural, profissional que atua na linha de frente da CDRS, o técnico que tem a responsabilidade de fazer chegar aos agricultores a orientação necessária ao processo produtivo, as novas tecnologias desenvolvidas pela pesquisa, além de ser um profissional facilitador do acesso às políticas públicas.

O trabalho de assistência técnica e extensão rural da CDRS se desenvolve junto às comunidades rurais, garantindo a segurança alimentar, fortalecendo o setor agrícola em todas as cadeias produtivas, com a promoção de capacitação e transferência de tecnologia, dessa forma garantindo a melhor e maior oferta de produtos e, com isso, provendo a alimentação da população em ações que vão do campo até a mesa e a economia nacional.

Defesa Agropecuária: segurança e qualidade para o consumidor

A Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), outro órgão ligado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, desenvolve ações fundamentais para levar segurança e qualidade para o consumidor. Seu trabalho envolve do campo ao prato, passando por toda a cadeia de produção e seus esforços garantem a saúde da população, formando um manto que protege a agricultura estadual.

Segundo Cesar Daniel Krüger, assessor da CDA, a Defesa é um instrumento para preservar a qualidade dos rebanhos, das culturas vegetais e do uso correto de insumos da agropecuária, atuando como agente fiscalizador e de controle. "Atuamos também na conservação e defesa do solo e fiscalizamos os estabelecimentos que comercializarão os produtos no Estado, por meio do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISP)", afirma.

Foco no consumidor

As ações da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de Ação não deixam de fora os consumidores de alimentos. A Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro) tem como objetivo desenvolver o agronegócio paulista, aprimorando as cadeias produtivas e de exportação, além de promover o fortalecimento do cooperativismo e associativismo rurais e o abastecimento -- principalmente em momentos de crise, como o atual.

Outro trabalha de grande relevância da Codeagro é levar informações seguras e claras para o consumidor sobre segurança alimentar, alimentação saudável e aproveitamento dos alimentos. As informações são fornecidas por meio dos canais de comunicação da Secretaria, além da produção de boletins e livros de receita e palestras e até mesmo ações em feiras livres.

 

Fonte: Segs, Março/2020 (https://www.segs.com.br)

Para acessar a notícia clique aqui