Ruas e praias repletas de gente, explosões brilhantes no céu, bolinhas de champanhe acompanhadas de muitos desejos... assim é o réveillon, a grande festa de passagem de ano. Momento de fazer promessas e assumir compromissos consigo mesmo e com as outras pessoas. E por que não estender isso também ao meio ambiente? 

Nos primeiros dias do novo ano, as marcas da comemoração ainda podiam ser vistas pelas ruas e pelos mares, lembrança dos cerca de 6 milhões de turistas que se reuniram para celebrar a chegada de 2020.

Em São Paulo, só na Avenida Paulista, as equipes de limpeza do município recolheram quase 67 toneladas de lixo. Nas praias de Santos, desde o emissário até a Ponta da Praia, 113,5 toneladas foram retiradas das areias e dos jardins. E o que não foi recolhido, para onde foi?

Os objetos jogados ao mar ou que de alguma forma chegaram até ele, estão poluindo as águas e causando a morte de centenas de peixes, tartarugas, baleias, plantas e outros seres. Há anos, os órgãos de pesquisa alertam que o lixo que chega aos mares e oceanos é a principal causa de mortandade de organismos marinhos. Além das recorrentes notícias de acidentes causados por plásticos maleáveis, existem outros objetos que, em contato com a água ou durante decomposição, eliminam substâncias que são prejudiciais à fauna e flora marinhas.

O trabalho das equipes de limpeza e dos órgãos de preservação do meio ambiente de cada canto do país é fundamental. Mas, é necessário que brasileiros e estrangeiros adotem um comportamento que reflita o mínimo de conhecimento sobre cidadania, saúde e educação.

Neste início de 2020, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio de suas instituições de pesquisa, entre as quais o Instituto de Pesca (IP/APTA), deseja que a palavra réveillon (do francês réveiller) signifique mais que uma passagem no calendário e recupere seu significado original (acordar, reanimar), passando a representar o despertar da consciência necessária à preservação do nosso planeta.

 

Texto: Gabriela Souza

Foto: PXHere

CECOM - Centro de Comunicação