Up

2016

CAPTURA INCIDENTAL DE RAIAS NA PESCA DO CAMARÃO-SETE-BARBAS DO PEREQUÊ, GUARUJÁ, SÃO PAULO, BRASIL

 

CAPTURA INCIDENTAL DE RAIAS NA PESCA DO CAMARÃO-SETE-BARBAS DO PEREQUÊ, GUARUJÁ, SÃO PAULO, BRASIL

Autor: Alexandre Fernandes Soares Rodrigues

Orientador: Alberto Ferreira de Amorim

Data: 31.03.2016

Resumo:

Elasmobrânquios são componentes tróficos importantes em ecossistemas marinhos. Suas estratégias de vida como baixa fecundidade, maturidade sexual tardia e crescimento lento, os tornam altamente vulneráveis às ações antrópicas em zonas costeiras. A comunidade pesqueira do Perequê é tradicional na pesca de arrasto de pequeno porte dirigida ao camarão-setebarbas. Arte de pesca que por ser pouco seletiva, possui alta taxa de capturas incidentais, inclusive de espécies de raias ameaçadas como Rhinobatos horkelii e Zapteryx brevirostris, capturando todos os estádios de maturação sexual. Entre os elasmobrânquios capturados pelos pescadores do Perequê, as raias não possuem valor comercial, sendo descartadas ao mar pelos pescadores, fato importante que facilita ações conservacionistas. A compreensão do estado físico, fisiológico e de sobrevivência dos indivíduos capturados como fauna acompanhante, e a observação das variáveis biológicas e operacionais da captura são fundamentais para o entendimento dos aspectos desse esforço de pesca que podem ser modificados, minimizando os efeitos letais de captura espécie-específicos. Historicamente parâmetros biológicos para estudo de elasmobrânquios têm sido obtidos por amostragem letais dos indivíduos, no entanto, se o objetivo for conservação, é preciso empregar abordagens multidisciplinares para desenvolver métodos alternativos. O presente estudo realizou um levantamento da fauna de raias que ocorrem na pesca de arrasto do camarão-sete-barbas na praia de Perequê, Guarujá, Litoral Centro de São Paulo. Em 83,8% dos arrastos acompanhados ocorreram capturas de raias, sendo estas de nove espécies e de seis famílias. Dos batoides amostrados 48,7% eram indivíduos juvenis (n=56) e 30,4% neonatos, demonstrando a importância da região para a reprodução desses animais. Em relação às injúrias físicas sofridas pelas raias no momento da captura, 59,6% apresentaram pequenas lesões ou nenhuma lesão aparente, 24,5% com lesões moderadas e 16% das raias apresentaram lesões extensas. Se faz de extrema importância ações conjuntas entre a academia e comunidade pesqueira, para a mitigação dos impactos pesqueiros, principalmente em relação às espécies ameaçadas e locais de relevância ecológica para essas espécies. Desta forma, recomenda-se o aperfeiçoamento da metodologia de captura, a prioridade na triagem e soltura imediata de tais animais, assegurando assim a sobrevivência dos indivíduos capturados de forma incidental. Todo o estudo foi realizado com o emprego de métodos não letais.

 

Palavras-chave: Elasmobrânquios, pesca artesanal, pesca de pequeno porte, fauna acompanhante, métodos não letais.

 
DETERMINAÇÃO DAS CONCENTRAÇÕES DE ELEMENTOS TRAÇOSMETÁLICOS: Al, Cd, Cr, Cu, Fe, Mn, Ni, Pb e Zn EM MEXILHÕES (Perna perna)COLETADOS NA ILHA DE URUBUQUEÇABA -BAÍA DE SANTOS - SÃO PAULO - BRASIL

DETERMINAÇÃO DAS CONCENTRAÇÕES DE ELEMENTOS TRAÇOS METÁLICOS: Al, Cd, Cr, Cu, Fe, Mn, Ni, Pb e Zn EM MEXILHÕES (Perna perna)COLETADOS NA ILHA DE URUBUQUEÇABA -BAÍA DE SANTOS - SÃO PAULO - BRASIL

Autor: Marcos Bührer Campolim

Orientador: Edison Barbieri

Data: 16.06.2016

Resumo:

Este estudo avaliou as concentrações dos elementos traços metálicos Al, Cd, Cr, Cu, Fe, Mn, Ni, Pb e Zn em mexilhões da espécie Perna perna na Ilha Urubuqueçaba, baía de Santos, São Paulo, Brasil quanto a sazonalidade, sexo e classes de comprimento (3,5 - 5,5 cm; 5,5 - 6,5 cm; e 6,5 - 8,5 cm) com a finalidade de se verificar diferenças para estas variáveis. As coletas ocorreram no período de abril de 2010 a junho de 2011 em bancos naturais. A determinação da concentração dos metais foi realizada empregando o Espectrômetro de Absorção Atômica de Chama. O tratamento estatístico utilizou o Software PAST 1 com abordagens paramétricas e não-paramétricas utilizando p < 0,05 como significativo. As concentrações médias em µg.g-1 de peso seco obedeceram à seguinte ordem: Al (1250,77), Fe (599,91), Zn (90,39), Mn (7,79), Ni (7,72), Cu (5,46), Pb (1,28), Cr (1,25) e Cd (0,39). O verão apresentou maiores concentrações significativas para o Cd, Cu, Ni, Pb e Zn. O Cu teve tendência a apresentar maiores concentrações em mexilhões fêmeas e os demais elementos não apresentam diferenças significativas entre os sexos. As classes de comprimento que apresentaram concentrações com diferença estatística foram a 3,5 - 5,5 cm, para Al e Fe, e a 6,5 - 8,5 cm, para Cr. Somente o Cr apresentou concentrações acima do permitido pelas normas brasileiras que estabelecem concentrações para o consumo humano.

 

Palavras-chave: Poluição costeira · Elemento traço · Moluscos bivalves · Bioacumulação

 

 
EFEITOS NO METABOLISMO EM PEIXES DE ÁGUA DOCE (Geophagus iporangensis) EXPOSTOS DE FORMA SIMPLES E COMBINADA AO ÓXIDO DE GRAFENO E ELEMENTOS TRAÇO (ZINCO E CÁDMIO)

EFEITOS NO METABOLISMO EM PEIXES DE ÁGUA DOCE (Geophagus iporangensis) EXPOSTOS DE FORMA SIMPLES E COMBINADA AO ÓXIDO DE GRAFENO E ELEMENTOS TRAÇO (ZINCO E CÁDMIO)

Autor: Aline Maria Zigiotto de Medeiros

Orientador: Edison Barbieri

Data: 09.09.2016

Resumo:

A nanotecnologia apresenta potenciais aplicações em diversos setores, tais como eletrônica, farmacêutica, cosméticos, agroindústria e ambiental. Com o aumento da produção destes novos materiais, torna-se inevitável o risco para a saúde humana e ambiental devido ao descarte incorreto de seus produtos / resíduos. Desta forma, é primordial entender a interação destes novos materiais com o ambiente, buscando-se compreender melhor os seus potenciais efeitos adversos. O objetivo deste trabalho foi estudar os efeitos subletais decorrentes da exposição simples e combinada a um nanomaterial de carbono, o Óxido de Grafeno (OG), e elementos traço (zinco e cádmio) no metabolismo de peixes de água doce (Geophagus iporangensis). O consumo de oxigênio apresentou diferenças estatística na média em todas as exposições (OG, Zn, Cd, Zn+OG e Cd+OG). Já o biomarcador excreção de amônia revelou alterações apenas para a exposição ao zinco (exposição exclusiva e combinada). Foi observado que a presença de nanomateriais no meio intensificou o efeito do elemento traço pois constatou-se diferenças em relação ao controle em concentrações menores que na exposição exclusiva ao elemento traço. Além disso, a combinação Zn + OG apresentou um diâmetro hidrodinâmico maior e um potencial zeta menos negativo que o meio preparado apenas com OG ou OG+Cd. Desta forma, o estudo sugere que o Óxido de Grafeno pode funcionar como um cavalo de troia quando lançado no ambiente e pode potencializar o efeito de outros xenobiontes.

 

Palavras-chave: nanotecnologia, nanoecotoxicologia, nanomateriais, co-contaminantes, consumo de oxigênio, excreção de amônia

 
CARACTERIZAÇÃO DA FAUNA DE CARANGUEJOS BRACHYURA E ANOMURA - PORCELLANIDAE (CRUSTACEA, DECAPODA) DA ILHA DAS PALMAS, SANTOS, SÃO PAULO, BRASIL, COM BASE EM IMAGENS DIGITAIS

CARACTERIZAÇÃO DA FAUNA DE CARANGUEJOS BRACHYURA E ANOMURA - PORCELLANIDAE (CRUSTACEA, DECAPODA) DA ILHA DAS PALMAS, SANTOS, SÃO PAULO, BRASIL, COM BASE EM IMAGENS DIGITAIS.

Autor: Júlia Alves Costa

Orientador: Evandro Severino Rodrigues

Data: 22.09.2016

Resumo:

Brachyura e Anomura desempenham um papel importante na cadeia trófica dos costões rochosos. Os objetivos deste estudo foram caracterizar a comunidade e estabelecer o padrão de distribuição dos caranguejos Brachyura e Anomura (Porcellanidae) (Crustacea; Decapoda) do costão rochoso da Ilha das Palmas, Baía de Santos, São Paulo – Brasil, utilizando imagens digitais como método não invasivo para a obtenção de dados. Entre agosto de 2014 e agosto de 2015 foram realizadas campanhas mensais para obtenção de imagens digitais dos caranguejos, por meio das quais foi realizada a morfometria externa e observação macroscópica do sexo dos indivíduos. Foram coletados 303 caranguejos, sendo que a partir das imagens foi possível identificar 241 deles. A infraordem Brachyura abrangeu quatro famílias, quatro gêneros e cinco espécies: Eriphia gonagra, Eurypanopeus abbreviatus, Microphrys bicornutus, Pachygrapsus gracilis e Pachygrapsus transversus. Da infraordem Anomura identificou-se uma família, Porcellanidae, dois gêneros, Pachycheles e Petrolisthes, e uma espécie, Petrolisthes armatus. A distribuição espacial realizada com o uso do mapa de Kernel identificou as maiores concentrações de caranguejos em torno da Ilha e a preferência deles por ambientes abrigados. Dentre os grupos estudados, a espécie mais representativa foi o braquiúro Pachygrapsus transversus, o mais ativo e dominante na Ilha das Palmas, assim como em outros locais onde a espécie foi estudada. O anomuro Petrolisthes armatus é um caranguejo que necessita de estudos específicos, pois a razão sexual encontrada foi muito desequilibrada em favor das fêmeas. As imagens digitais são ferramentas poderosas e importantes para estudos em todos os tipos de ambientes, porém, para identificação de alguns dos organismos analisados o método mostrou limitações. Assim, para algumas espécies ainda é necessária a coleta e análise em laboratório para identificação taxonômica.

 

Palavras-chaves: Brachyura, Anomura, caranguejos, fotografia em estudos biológicos, costão rochoso, metodologia não invasiva

 

 
DESEMPENHO PRODUTIVO DO MEXILHÃO Perna perna (LINNAEUS, 1758) CULTIVADO PELO SISTEMA DE CORDAS EM DIFERENTES DENSIDADES, EM CARAGUATATUBA, SP, BRASIL

DESEMPENHO PRODUTIVO DO MEXILHÃO Perna perna (LINNAEUS, 1758) CULTIVADO PELO SISTEMA DE CORDAS EM DIFERENTES DENSIDADES, EM CARAGUATATUBA, SP, BRASIL

Autor: José Luiz Alves

Orientador: Helcio Luis de Almeida Marques

Data: 12.07.2016

Resumo:

 

No Brasil, como em outros países tropicais, as sementes de mexilhões não são um recurso abundante, e sua escassez por vezes constitui um gargalo para o crescimento da atividade. Assim, estudos que determinam a quantidade ideal de sementes nos cultivos têm aumentado nos últimos anos. Este trabalho objetiva determinar a influência de três densidades de semeadura (200, 300 e 400 sementes / m) sobre diferentes indicadores de desempenho produtivo de mexilhões Perna perna cultivados pelo sistema de cordas suspensas na Praia da Cocanha, Caraguatatuba, SP, Brasil. A ANOVA não apontou diferenças significativas (p<0.05) entre as densidades testadas e a abundância de organismos ornamentais, sementes adicionais associadas às cordas de cultivo, pesos e comprimentos médios dos mexilhões, índice de condição e sobrevivência. Como esperado, o peso total dos mexilhões foi maior nas maiores densidades. Conclui-se que qualquer das densidades testadas pode ser utilizada no sistema de produção em corda, sendo que as menores densidades podem ser indicadas em situações de escassez de sementes

 

 
A FREQUÊNCIA ALIMENTAR ELEVADA PODE AFETAR O DESEMPENHO PRODUTIVO DO ROBALO-FLECHA

 

A FREQUÊNCIA ALIMENTAR ELEVADA PODE AFETAR O DESEMPENHO PRODUTIVO DO ROBALO-FLECHA

Autor:Leandro Amaral Herrera

Orientador:Eduardo Gomes Sanches

Data:07.06.2016

Resumo:

O resultado apresentado demonstra ser necessário para o desenvolvimento da cadeia produtiva de pescados o emprego de novas tecnologias e ferramentas. Com a utilização de alimentadores automáticos, que propiciam o fornecimento de ração a quantidades definidas a intervalos regulares, foi possível obter precisão e eficiência ao alimentar altas frequências e a tecnologia do sistema de recirculação pode se tornar uma ferramenta primordial para engorda da peixes marinhos durante as primeiras fazes, contribuindo para a diminuição da vulnerabilidade dos cultivos em sistemas abertos, também conferir redução de desperdício de ração e lançamento de efluentes, assim como elevar o retorno econômico. Os parâmetros da qualidade da água (temperatura, salinidade, oxigênio dissolvido, amônia total, pH e ORP) foram mantidos dentro da faixa ideal para a espécie. Utilizados 135 peixes (4,31 ± 1,42 g e 8,4 ± 1,0 cm comprimento total) divididos em nove tanques e submetidos a três tratamentos. Os tratamentos foram: alimentados seis vezes ao dia; doze vezes ao dia e dezoito vezes ao dia. Cada tratamento contou com três repetições. Foram avaliados como desempenho produtivo a sobrevivência, peso final, ganho de peso diário, taxa de crescimento específico e conversão alimentar. A utilização de elevadas frequências alimentares influenciou o desempenho produtivo do robalo-flecha. Nas condições avaliadas a alimentação ofertada doze vezes ao dia proporcionou melhores resultados sendo indicada para o cultivo da espécie nesta faixa de peso.

Palavras-chave: Centropomus undecimalis, desempenho zootécnico alimentadores, maricultura

 
REFRIGERAÇÃO DO SÊMEN DA GAROUPA-VERDADEIRA

REFRIGERAÇÃO DO SÊMEN DA GAROUPA-VERDADEIRA

Autor: Francisco da Costa Silva

Orientador: Eduardo Gomes Sanches

Data: 07.06.2016

Resumo:

Este trabalho teve a finalidade de desenvolver um protocolo de refrigeração do sêmen da garoupa-verdadeira Epinephelus marginatus. Inicialmente, a taxa de motilidade, a duração da motilidade, a concentração espermática e o espermatócrito foram avaliados para caracterizar a qualidade do sêmen fresco. Para os testes de refrigeração a 4 ºC, diferentes diluentes com distintas composições iônicas e valores de pH foram testados em atmosfera normal e atmosfera modificada (100% oxigênio). Posteriormente, um teste de fertilização foi realizado para avaliar a viabilidade do sêmen refrigerado. Os resultados demonstraram que o sêmen fresco tem uma concentração espermática de 3,1 ± 0,2 x 109 células/mL, motilidade superior a 90% e permanece móvel por 3.060 ± 600 segundos. Uma relação positiva foi encontrada entre espermatócrito e concentração espermática (r2 = 0,91; P<0,05). No experimento de refrigeração, a taxa de motilidade e a duração da motilidade foram mantidas adequadas durante 72 horas para os diluentes A (70 ± 5 %; 3100 ± 200 segundos) e B (50 ± 5 %; 2000 ± 200 segundos) em atmosfera normal. Na atmosfera modificada, a qualidade do sêmen caiu drasticamente durante as primeiras 24 horas, independentemente do diluente utilizado, não propiciando vantagem em sua utilização. Os resultados demonstraram que a refrigeração do sêmen da garoupa-verdadeira é uma alternativa viável, sendo possível manter por até 48 horas uma apropriada qualidade espermática proporcionando uma taxa de fertilização superior a 60%.

 

Palavras-chave: Epinephelus marginatus, diluentes, espermatócrito, resfriamento espermático, espermatozopedes.

 
LEVANTAMENTO DA ICTIOFAUNA ATRAVÉS DA PESCA ESPORTIVA NO PARQUE ESTADUAL MARINHO DA LAJE DE SANTOS ESETOR ITAGUAÇU, SÃO PAULO, BRASIL.

LEVANTAMENTO DA ICTIOFAUNA ATRAVÉS DA PESCAESPORTIVA NO PARQUE ESTADUAL MARINHO DA LAJE DE SANTOS E SETOR ITAGUAÇU, SÃO PAULO, BRASIL.

Autor: Cristiano Borges Muriana

Orientador: Alberto Ferreira de Amorim

Data: 30.09.2016

Resumo:

O declínio das populações de peixes é uma realidade, agravada pela dificuldade de informações biológicas, gestão pesqueira e fiscalização. Este estudo pretende contribuir com o a identificação da diversidade de peixes do Parque Estadual Marinho da Laje de Santos (PEMLS) e do Setor Itaguaçu. São áreas de preservação do litoral paulista, apresentando impacto antrópico reduzido se comparadas com demais áreas costeiras não protegidas. O objetivo principal desse trabalho foi estudar a ictiofauna capturada no PEMLS e Setor Itaguaçu nas diferentes estações do ano. Foi também calculada a Captura por Unidade de Esforço-CPUE, em relação às iscas natural e artificial, por meio de horas de pesca em número de peixes. Os peixes foram capturados com equipamentos manuais, varas equipadas com molinetes ou carretilhas. As iscas naturais foram lula e sardinha (frescas) e artificiais variadas, para capturar a maior diversidade possível. Após oito cruzeiros de pesquisa, foram capturados 107 peixes, pertencentes a 19 espécies, distribuídas em 11 famílias no decorrer das estações do ano.

Palavras-chave: Peixe ósseo, Área de proteção, Identificação de peixe, Técnica de captura e liberação

 

 
EFEITOS DA INTERAÇÃO DO ÓXIDO DE GRAFENO COM CÁDMIO E ZINCO NO CONSUMO DE OXIGÊNIO E EXCREÇÃO DE AMÔNIA DO Palaemon pandaliformis (STIMPSON, 1871) (CRUSTACEA, DECAPODA, PALAEMONIDAE)

EFEITOS DA INTERAÇÃO DO ÓXIDO DE GRAFENO COM CÁDMIO E ZINCO NO CONSUMO DE OXIGÊNIO E EXCREÇÃO DE AMÔNIA DO Palaemon pandaliformis (Stimpson, 1871) (CRUSTACEA, DECAPODA, PALAEMONIDAE)

Autor: Camila Batista de Melo

Orientador: Edison Barbieri

Data: 10.11.2016

Resumo:

As várias aplicabilidades dos nanomateriais (NMs) vêm sendo rapidamente desenvolvidas e exploradas nas últimas décadas. No entanto, estudos para diagnosticar e diminuir seus potenciais impactos ao ecossistema aquático não acompanham o mesmo ritmo. São vários os fatores bióticos e abióticos no meio aquático que podem influenciar os fatores físico-químicos, destino e efeitos dos NMs. Consequentemente, a biodisponibilidade dos NMs pode ser alterada quando eles interagem com outros elementos orgânicos e inorgânicos, incluindo os sais minerais presentes no sistema aquático. O cádmio (Cd) e o zinco (Zn) são elementos-traço (ETs), provenientes de fontes naturais e antropogênicas, que podem ser tóxicos se disponibilizados em condições específicas. O Óxido de Grafeno (GO) é um NM potencialmente tóxico e de diversas aplicações, dentre elas a remoção de contaminantes de efluentes industriais e urbanos, assim a como remediação ambiental. A crescente demanda e consequente descarte deste NM no meio aquático induziram à necessidade de avaliar os potenciais efeitos adversos do GO sobre a biota, assim como os efeitos da sua interação com outros poluentes. Neste trabalho foram avaliados os possíveis efeitos tóxicos do GO, isoladamente e associado ao Cd e ao Zn, através dos testes de toxicidade aguda e de metabolismo de rotina do Palaemon pandaliformis. Popularmente conhecido como camarão fantasma, o P. pandaliformis é um carídeo osmorregulador encontrado em ambientes costeiros sujeitos a constantes variações ambientais e de fácil manutenção em laboratório. Neste estudo, foram observados os efeitos tóxicos do GO e de sua interação com o Cd e o Zn através de testes de toxidade aguda e de metabolismo de rotina.

Palavras chave: Óxido de Grafeno, nanoecotoxicologia, toxicidade aguda, consumo de oxigênio, excreção de amônia, Palaemon pandaliformis

 
MORFOMETRIA E VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA ABUNDÂNCIA DAS FASES INICIAIS DO CAMARÃO-BRANCO Litopenaeus schmitti NO ESTUÁRIO DE SANTOS - SP, BRASIL

MORFOMETRIA E VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA ABUNDÂNCIA DAS FASES INICIAIS DO CAMARÃO-BRANCO Litopenaeus schmitti NO ESTUÁRIO DE SANTOS - SP, BRASIL

Autor: Felippe Veneziani Abbatepaulo

Orientador: Acácio Ribeiro Gomes Tomás

Data: 08.12.2016

Resumo:

Os estuários são considerados como áreas berçário para diversas espécies de peixes, moluscos, crustáceos e outros invertebrados, por serem regiões com elevada disponibilidade de alimentos e proteção contra predadores. Além disso, também possuem importância econômica e ecológica, uma vez que dão suporte à manutenção de alguns estoques pesqueiros. Apesar dessa relevância os estuários estão expostos a diversos impactos antrópicos, que podem acarretar em grandes alterações no recrutamento larval em espécies que dependem destes ambientes, resultando em uma baixa densidade de organismos e favorecendo declínios populacionais, promovendo um desequilíbrio ecológico tanto no estuário como na região costeira adjacente, gerando reflexos sobre os recursos pesqueiros estuarino-dependentes. Neste contexto, a presente dissertação traz informações a respeito da morfometria e das variações espaço-temporais da abundância das fases iniciais do ciclo de vida do camarão-branco, Litopenaeus schmitti, no estuário de Santos, SP, Brasil. A primeira parte versa sobre as questões morfométricas da espécie e tem o diferencial de englobar indivíduos de pequeno porte (51 – 193 mm), algo inédito para L. schmitti. Na segunda parte, por meio da metodologia GAM foi analisada a influência dos padrões espaço-temporais na abundância em função dos fatores ambientais. Os dados utilizados foram coletados mensalmente entre julho de 2010 e março de 2015 com beam-trawl e gerival que objetivaram parcelas populacionais distintas. Os resultados disponibilizados na presente dissertação evidenciaram que a existência de padrões distintos de crescimento, em comprimento e em massa, entre os sexos ocorre desde as fases iniciais do ciclo de vida do camarão-branco. Também foi possível perceber que indivíduos de diferentes fases ontogenéticas tendem a responder de modo diferente às alterações nas características ambientais e que dentre as variáveis ambientais a salinidade é a que apresenta maior influência na ocorrência de pós-larvas e juvenis de L. schmitti ao longo do Estuário de Santos.

 

Palavras-chave: dinâmica da fase juvenil; variáveis ambientais; ciclo de vida; modelo aditivo generalizado.

*A pedido do autor, esta dissertação não se encontra disponível para download. Para consultas, entre em contato com nossa biblioteca.

 
VARIAÇÃO DAS DESCARGAS DE CAMARÃO-BRANCO Litopenaeus schmitti NA COSTA CENTRAL DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

VARIAÇÃO DAS DESCARGAS DE CAMARÃO-BRANCO Litopenaeus schmitti NA COSTA CENTRAL DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

Autor: Sarah Raquel Ferlin de Deus

Orientador: Acácio Ribeiro Gomes Tomás

Data: 09.12.2016

Resumo:

Os camarões peneídeos são um dos recursos mais explorados pela frota pesqueira nas regiões costeiras tropicais em todo o mundo e a partir da década de 50 a exploração desse grupo se intensificou. Este crescimento acelerado aliado ao aumento da exploração de berçários naturais e à degradação ambiental tem evidenciado acentuado declínio dos estoques de camarão ao longo da costa brasileira. O camarão-branco Litopenaeus schmitti está entre as espécies de peneídeos de maior interesse econômico no Estado de São Paulo, e considerando a sua importância o objetivo deste estudo foi investigar as variações na CPUE da espécie e sua relação com alguns fatores ambientais que já demonstraram potencial para influenciar na captura de outras espécies marinhas, através de funções de auto-correlação e correlação cruzada entre os dados de produção pesqueira e as variáveis ambientais (temperatura superficial do mar em ºC, concentração de clorofila na superfície do mar em mg/m3 e precipitação pluviométrica total em mm) da região. Foram analisadas 1.681 viagens, das quais 890 descarregaram em Bertioga e 791 em Santos/Guarujá. A série temporal dos valores de CPUE, assim como o peso descarregado (kg), demonstrou que a época de maior captura sofre grande variação anual, de maneira geral ocorrendo entre o inverno e a primavera, com maior pico em novembro de 2009. A decomposição da série ainda revelou uma tendência de queda nos valores de CPUE. A concentração de clorofila na superfície do mar apresentou correlação inversa, com defasagem de três meses e sem uma clara sazonalidade em relação às capturas de camarão-branco, justificado pelo tempo necessário para que a produtividade primária se torne disponível a espécie. A precipitação pluviométrica se correlacionou negativamente com defasagem de cinco meses e sazonalidade anual variável entre os anos estudados. Provavelmente o volume precipitado nos meses anteriores aos picos seria responsável por suavizar a diferença de salinidade entre mar aberto e estuário e incentivar a migração progressiva das pós-larvas e juvenis, resultando em maior abundância do estoque nos meses seguintes. A temperatura foi a mais significativa das variáveis explicativas com correlação negativa, evidenciando sazonalidade anual e defasagem de quatro meses. Esse parâmetro, além de influenciar os outros, é responsável pelo crescimento de adultos e, desenvolvimento e sobrevivência das pós-larvas. Portanto, flutuações nos parâmetros ambientais aliadas à sobrexplotação dos estoques podem resultar em uma grave diminuição da abundância, por isso é imprescindível para a conservação da espécie entender sua relação com o habitat para desenvolver modelos de previsão em um cenário de mudanças climáticas.

 

Palavras-chave: série temporal, parâmetros ambientais, Penaeidae.

 

 
MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS PLASMÁTICAS E SOROLÓGICAS DO SANGUE DE TILAPIA DO NILO, DURANTE 24 HORAS

MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS PLASMÁTICAS E SOROLÓGICAS DO SANGUE DE TILAPIA DO NILO, DURANTE 24 HORAS

Autor: Diana Meira de Almeida

Orientador: Maria José Tavares-Ranzani Paiva

Data: 18.11.2016

Resumo:

A tilápia é uma das espécies comercialmente mais importantes para aquicultura devido ao crescimento rápido, rusticidade, boa conversão alimentar, adaptabilidade aos diferentes sistemas de criação e boa aceitação pelo mercado consumidor. A deficiência em qualquer aspecto do manejo causa situações de estresse resultando em baixa eficiência do sistema imunológico, redução da sobrevivência, do crescimento e da capacidade reprodutiva. Por outro lado, os organismos respondem, também, a determinados ritmos biológicos, como os circadianos, aos quais os animais de adaptam naturalmente. Devido à importância dos efeitos do estresse e do ciclo circadiano no cultivo de peixes, com este trabalho pretendeu-se monitorar as variáveis plasmáticas (lactato e proteínas totais), sorológicas (cortisol e colesterol) e do sangue total (glicose) em tilápia do Nilo no ciclo de 24 horas. Para o experimento foi utilizada uma bateria de 49 aquários com 5 indivíduos cada. Todos eles sofreram, no inicio do experimento, o mesmo estresse de captura e manipulação. Em seguida, as amostras de sangue dos indivíduos de cada aquário foram sequencialmente retiradas com intervalos de 30 minutos até completar as 24h de observação. Somente os indivíduos do primeiro aquário tiveram a amostra de sangue retirada após 15 minutos da aplicação do estresse. Para visualizar o andamento semi-horário das variáveis medidas, gráficos circulares foram elaborados. A ausência de diferenças significativas entre as variáveis medidas e as fases do ciclo circadiano (intervalos luz-escuro e manhã-tarde-noite-madrugada), foi verificada através dos testes de hipótese de Mann-Whitney e de Kruskal-Wallis respectivamente. Os resultados obtidos permitiram concluir que as variáveis: cortisol, glicose, lactato e proteínas não são afetadas pelo ciclo circadiano nem pelo efeito do estresse de manejo. A diferença entre os períodos de luz e escuro não foi significativa e a intensidade e freqüência dos picos observados não foram prejudiciais para os indivíduos. Somente o colesterol mostrou relação com o ciclo circadiano de 12/12h (luz-escuro) apresentando valores maiores no período de luz. Isto pode estar relacionado com o fato de que os peixes não foram alimentados durante o experimento.

Palavras-chave: Peixe, Estresse, Ciclo circadiano, Manejo

 
PREBIÓTICO E PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE PÓS-LARVAS DE TILÁPIA-DO-NILO (Oreochromis niloticus)

 

PREBIÓTICO E PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE PÓS-LARVAS DE TILÁPIA-DO-NILO (Oreochromis niloticus)

Autor: Ednara Ronise Lima de Araújo

Orientador:  Helcio Luis de Almeida Marques

Data: 22.09.2016

Resumo:

A reversão sexual é considerada uma das fases mais críticas no sistema de produção de tilápias. Neste sentido, objetivou-se avaliar a utilização do prebiótico Active-Mos® e de dois probióticos (PAS-TR® – Bacillus cereus - 4,0x108 UFC g-1 e Bacillus subtilis - 4,0x108 UFC g-1 ; e Bioplus 2BC® – Bacillus subtilis - 1,6x1010 UFC g-1 e Bacillus licheniformis - 1,6x1010 UFC g-1 ) testados juntos e separadamente na alimentação de pós-larvas (PL) de tilápia-do-nilo durante o período de reversão sexual. O experimento foi realizado em duas etapas, na primeira, foram utilizadas 2.160 PL com 3 dias após a eclosão (10,39 ± 0,85 mm e 12,28 ± 3,15 mg), estocadas em 24 aquários com volume útil de 30 L na densidade de 3,0 PL.L -1 , onde foram avaliados os parâmetros de desempenho zootécnico de crescimento, composição corporal, recuperação bacteriana e histomorfometria das vilosidades intestinais. Na segunda etapa, foram utilizados 240 animais (4,28±0,19cm e 1,19±0,09g) provenientes da etapa anterior na densidade de 10 PL.aquário-1 e foram avaliados a sobrevivência e nível de proteção relativa (NPR) após desafio bacteriano com Aeromonas hydrophila. A metodologia de análise de orçamentos parciais foi aplicada nos dados referentes às duas fases. Em ambas as etapas foram utilizados 6 tratamentos com 4 repetições em delineamento experimental inteiramente casualizado. Os dados foram submetidos à análise de variância (ANOVA), seguido do teste de Tukey (p<0,05). A inclusão dos aditivos não afetou significativamente os parâmetros de desempenho de crescimento, sobrevivência e histomorfométricos avaliados. Após infecção experimental, foi verificada influência positiva da inclusão dos aditivos tanto no NPR quanto nos lucros parciais. Dessa forma, recomenda-se a utilização do simbiótico (ActiveMOS® + Bioplus 2BC®) em pisciculturas que tenham surtos recorrentes de bacteriose nas PL de tilápia–do-nilo durante a fase de reversão sexual.

Palavras-chave: Reversão sexual, Larvicultura, Prebiótico, Probiótico, Simbiótico

 

 
MANEJO ALIMENTAR NA LARVICULTURA DO CAMARÃO-DA-AMAZÔNIA Macrobrachium amazonicum (HELLER, 1862).

 

MANEJO ALIMENTAR NA LARVICULTURA DO CAMARÃO-DA-AMAZÔNIA Macrobrachium amazonicum (HELLER, 1862).

Autor: Thais Monteiro Ferreira

Orientador: Helcio Luis de Almeida Marques

Data: 07.11.2016

Resumo:

Avaliou-se o horário de fornecimento de alimento vivo no início do desenvolvimento larval e a frequência de arraçoamento com alimento inerte, visando maximizar o aproveitamento da dieta pelas larvas de Macrobrachium amazonicum. Foram realizados dois experimentos, no período de janeiro a março de 2015. No Experimento I, náuplios recém-eclodidos de Artemia foram ofertados às larvas em três horários: às 07:30 h (Tratamento AIM); às 12:00 h (Tratamento AMD) e 16:30 h (Tratamento AFT), sendo a quantidade de náuplios ajustada diariamente conforme o consumo e estágio das larvas. No Experimento II, o alimento inerte foi oferecido nas seguintes frequências: duas vezes ao dia - às 08:00 e 17:00 h (Tratamento AI2); três vezes ao dia - às 08:00; 12:30 e 17:00 h (Tratamento AI3) e quatro vezes ao dia - às 08:00; 11:00, 14:00 e 17:00 h (Tratamento AI4). A quantidade de náuplios de Artemia fornecida foi ajustada de acordo com o estágio larval predominante. O Experimento I foi encerrado quando 80% das larvas atingiram o estágio VI; e o Experimento II, quando 80% dos animais realizaram a metamorfose em pós-larvas (PL’s). O estágio larval foi verificado em dias alternados com o auxilio de um estereomicroscópio, em amostras aleatórias de dez larvas de cada tanque de experimentação. Foram avaliadas as variáveis limnológicas (oxigênio dissolvido, pH, temperatura, salinidade, NH3+NH4, NO2 e NO3) e as variáveis de produção (peso, sobrevivência e dias de larvicultura). Os diferentes horários de alimentação com náuplios de Artemia e a frequência de fornecimento de alimento inerte não influenciaram na qualidade da água. Quanto as variáveis de produção, não apresentaram diferenças estatísticas, embora no primeiro experimento, o tratamento AIM tenha apresentado uma maior taxa de sobrevivência; e no segundo experimento maior sobrevivência foi verificada no tratamento AI3. De acordo com os resultados obtidos, conclui-se que a alimentação com náuplios de Artemia deve ser realizada no início da manhã (às 07:30h – Tratamento AIM) e o fornecimento de alimento inerte pode ser feito três vezes ao dia (às 08:00, 12:30 e 17:00h – Tratamento AI3), proporcionando melhor aproveitamento da dieta, maior sobrevivência e melhor produtividade ao aquicultor.

 

Palavras-chave: frequência de arraçoamento, alimento vivo, náuplios de Artemia, alimento inerte.

 
Inclusão produtiva e a satisfação do viver: contribuições ao desenvolvimento da pesca de pequena escala no Brasil. Disponível

Inclusão produtiva e a satisfação do viver: contribuições ao desenvolvimento da pesca de pequena escala no Brasil. Disponível

Autor: Natali Isabela Pierin Piccolo

Orientador: Marcelo Barbosa Henriques

Data: 24.10.2016

Resumo:

A pesca de pequena escala no Brasil é geralmente praticada por pessoas em contextos de vulnerabilidade onde a superação dos problemas demanda múltiplas abordagens para atingir um estado de sustentabilidade da atividade e boa qualidade de vida dos pescadores. Nesse contexto, conhecer os modos de vida e visão de mundo dos pescadores é fundamental para os planos de gestão, onde as necessidades individuais também devem ser valorizadas a fim de conhecer as condições de vida que são usufruídas pelas comunidades pesqueiras. A inclusão produtiva realizada pelo Programa Aquisição de Alimentos (PAA) possibilitou a inserção de produtos oriundos da pesca artesanal no mercado de compras públicas em todo território brasileiro, possibilitando fortalecimento da renda, reconhecimento, formalização e trocas entre instituições formais e comunidades pesqueiras nos processos de comercialização. Por outro lado, apesar dos processos participativos serem amplamentes recomendados para a implementação de programas socioeconômicos que promovam a qualidade de vida de pescadores, nem sempre isso ocorre, e mesmo que esteja em pauta, a garantia de resultados eficientes sobre as estratégias desenhadas é pequena, devido à ausência de metodologias que possibilitem visualizar as dimensões mais críticas que necessitam da promoção de mudança. Neste trabalho buscou-se conhecer se o PAA teve participação expressiva da pesca artesanal entre os anos de 2011 a 2014 no país, bem como, discutir em escala local, no município de Itanhaém, SP, se existem diferenças entre a qualidade de vida dos pescadores que estão submetidos ao mesmo programa socioeconômico (PAA/Programa Feiras) quando comparado aos que não estão, sob um contexto específico de gestão pesqueira. O capítulo 1 discute o PAA em escala nacional e avalia os tipos de produtos adquiridos classificados entre moluscos, crustáceos, peixes marinhos, peixes continentais e produtos não identificados, nas cinco regiões do Brasil (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sul e Sudeste). Os pescadores que são considerados produtores foram classificados por gênero, região, e tipo de organização produtiva (cooperativa/associação), dados adquiridos do portal da transparência do governo federal. O PAA adquiriu produtos da pesca artesanal em todas as regiões, tendo o Norte e Nordeste como maiores produtores, além de ter elevada participação feminina. A classe de produtos peixes continentais e não identificados foram as mais representativas. O capítulo 2 traz um novo olhar sobre a gestão pesqueira, propondo como método que auxilia na avaliação e consequente promoção da qualidade de vida, o reconhecimento da satisfação sobre viver os aspectos em determinados estados de qualidade. Foram avaliadas quatro dimensões, social, ambiental, econômica e governança, em dois indicadores, de qualidade de vida, que expressa a subjetividade em viver determinada condições pelos pescadores (IQV) e de condições para se viver (IQCV) indicador objetivo e resultado das opiniões dos técnicos relacionados à atividade no município. A dimensão econômica teve melhor valor para o grupo que participa dos programas, enquanto em ambos os grupos a governança foi a dimensão mais crítica e responsável pelo menor desenvolvimento da atividade no município, influenciando também o valor do IQV.

Palavras-chave: pesca artesanal, bem-estar social, qualidade de vida, alternativa de renda

 
ANÁLISE DAS CONCENTRAÇÕES DE FÓSFORO EM UM SISTEMA DE TILAPICULTURA EM VIVEIROS ESCAVADOS

ANÁLISE DAS CONCENTRAÇÕES DE FÓSFORO EM UM SISTEMA DE TILAPICULTURA EM VIVEIROS ESCAVADOS

Autor: Cláudia Menezes da Silva Gouvea

Orientador:  Claudia Maris Ferreira Mostério

Data: 13.12.2016

Resumo:

A descarga de nutrientes para o meio ambiente decorrentes da piscicultura pode causar a deterioração da qualidade da água através do enriquecimento do corpo hídrico receptor por compostos fosfatados. A aplicação de indicadores ambientais com a finalidade de quantificar os resíduos gerados pela produção de organismos aquáticos ainda é muito pouco utilizada na piscicultura nacional. O presente estudo teve por objetivo geral usar o Fósforo Total (P) como indicador ambiental sendo, portanto, uma ferramenta para quantificar a descarga de fósforo via efluentes da criação de tilápias no sistema semi intensivo de cultivo em viveiros escavados. As coletas de dados tomaram como base as análises das concentrações das seguintes variáveis limnológicas: temperatura (oC), oxigênio dissolvido (mg/L), potencial hidrogeniônico (pH), condutividade elétrica (µS/cm), sólidos totais dissolvidos (mg/L) e Fósforo Total (P). As amostragens foram realizadas ao longo de três ciclos distintos de engorda. No período de setembro de 2014 a julho de 2016, 38 coletas. Todas as amostragens foram feitas com frequência quinzenal, considerando-se como estações de coleta o sistema de abastecimento dos viveiros (captação de água), a sua drenagem (saída de água) e o corpo hídrico receptor. Durante os três ciclos de produção não foram registradas alterações importantes para as variáveis limnológicas, exceto para as concentrações de Fósforo Total (P), demonstrando descargas excessivas deste nutriente no efluente, que pode estar associado ao manejo alimentar e ao metabolismo dos peixes. A utilização do fósforo como indicador ambiental evidenciou que as práticas de manejo empregadas na tilapicultura não foram suficientes para evitar a descarga excessiva de fósforo. Por outro lado, mostrando que o ambiente possui boa capacidade de assimilação, diminuindo a intensidade do impacto da carga orgânica gerada pela piscicultura, pois mesmo apresentando níveis elevados do fósforo, não houve interferência no crescimento e desenvolvimento da produção piscícola. Contudo, é necessário reduzir essas concentrações e seus possíveis impactos que podem causar no corpo hídrico receptor, para isso é necessário um manejo que atenda a necessidade desta produção, considerando o estágio de desenvolvimento dos peixes, controle da quantidade de ração ofertada, a utilização de densidades de estocagem adequadas para uma melhora na assimilação e aproveitamento deste fósforo no sistema produtivo e tratamento dos efluentes.

 

Palavras-chave: Concentrações de fósforo total, piscicultura, tilápia, indicadores de sustentabilidade.

 
 
 
Powered by Phoca Download